AGERSA – Ouvidoria: 0800-0753226 » AGERSA participa de Audiência Pública discutir os impactos ambientais e revitalização do Rio Jaguaripe AGERSA participa de Audiência Pública discutir os impactos ambientais e revitalização do Rio Jaguaripe – AGERSA – Ouvidoria: 0800-0753226


13
OUT
2021

AGERSA participa de Audiência Pública discutir os impactos ambientais e revitalização do Rio Jaguaripe

A AGERSA foi convidada pelo Instituto Korango de Comunicação e Pesquisa Integrada, em parceria com o movimento SOS RIO JAGUARIPE, para participar Audiência Pública na cidade de Jaguaripe.

Na oportunidade, muitas reflexões importantes a serem feitas, como a situação do Rio Jaguaripe após aprovação do Plano da Bacia, os impactos ambientais e sua revitalização, enquadramento hídrico na Bacia do Baixo Sul, Território de Identidade do Rio Jaguaripe, entre outros.

A AGERSA compôs a mesa do evento, representada pela técnica da Diretoria de Fiscalização Louise Camardelli, Engenheira Sanitarista e Ambiental.

O apoio da AGERSA ao coletivo SOS Jaguaripe iniciou-se em 2018, quando foi procurada por uma comitiva composta por técnicos e autoridades dos municípios componentes da sub bacia do rio Jaguaripe (Aratuípe, Castro Alves, Conceição do Almeida, Dom Macedo Costa, Jaguaripe, Muniz Ferreira, Nazaré e Sapeaçu), com o objetivo principal de implementar ações para a revitalização do rio Jaguaripe e a preservação de sua nascente, ameaçada pelo crescimento urbano não planejado adequadamente e pelo descarte dos efluentes de esgoto in natura no referido corpo d’água.

Embora as questões ambientais não sejam o foco da atuação da AGERSA, somos sensíveis à causa e identificamos interfaces com a atuação do Inema. A Diretoria de Fiscalização destacou uma equipe técnica para realização de trabalho de campo buscando averiguar de que maneira a operação das unidades de abastecimento de água e esgotamento sanitário da Embasa poderiam estar contribuindo para a degradação do rio, verificando in loco a eficiência das atividades técnico-operacionais e o seu impacto nos corpos hídricos, envolvendo ações de fiscalização direta em 7 municípios. A participação em reuniões com a presença de representantes da sociedade civil e do poder público, realizadas em municípios diferentes, além da intermediação de contato com o Inema e o Ministério Público do Meio Ambiente.