10
JUN
2020

AGERSA participa de debate sobre a Geoinformação e a Geocolaboração no combate à Pandemia

A AGERSA, autarquia vinculada a Secretaria de Infraestrutura Hídrica e Saneamento (Sihs), participou nesta quarta-feira (10/06), do evento Open Street Map Data Day, uma celebração anual dos dados abertos em todo o mundo, e em particular, para a comunidade Open Street Map. Essa foi a primeira vez que a UFBA promoveu um evento local voltado para a temática dos dados geoespaciais abertos.O debate contou com a participação do Ernesto Galindo – IPEA. Télkia Rios – Agersa. Carlos Alves Jr – Inema. Rafael Pedreira – SEDUR/Bahia.(Colaboradores do GeoCombate COVID-19 BA), com a mediação de Maria Isabel C. de Freitas.

O evento foi uma oportunidade para mostrar os benefícios do uso de dados abertos e encorajar a adoção dessa política nos governos, empresas e na sociedade civil.

A AGERSA, representada pela Diretora de Fiscalização, participou de um dos debates, na condição de usuário de dados espaciais na gestão pública e a importância deles estarem disponíveis de forma aberta, confiável, sistematizada. Na condição de produtora de dados, a AGERSA vem se empenhando para disponibilizá-los dessa mesma forma.

Para a Diretora de Fiscalização da AGERSA, Télkia Rios, essa ação tem ganhado cada vez mais reconhecimento.

“A importância da produção e utilização de dados espaciais na gestão pública tem crescido bastante, trazendo ganho em eficiência no planejamento e redução de custos e a formação de redes colaborativas tem sido crucial nesse processo. Essa necessidade foi se evidenciando na AGERSA em um processo natural de amadurecimento, onde passamos para uma nova fase do trabalho técnico-operacional da Diretoria de Fiscalização, com ênfase no monitoramento remoto, a partir de indicadores”, contou.

A Diretora, ainda contou como a ferramenta tem ajudado o ente regulador neste período crítico causado pelo COVID-19.

“Com a pandemia, essa necessidade se tornou imperativa. A COVID-19 se tornou um “mote”, um ponto de convergência para essa demanda, proveniente de vários órgãos e instituições. Nesse processo de busca por informações confiáveis, encontramos o Grupo GeoCombate da UFBA, um grupo plural, com profissionais de várias formações, engajados e competentes, acentuando o nosso empenho em investir no aprimoramento da apresentação dos dados que produzimos, que já são públicos e utilizados como referência para o Ministério Público, as Vigilâncias Sanitárias, de uma forma mais acessível e fácil de serem importados e utilizados por outros órgãos, da mesma maneira que desejamos encontrá-los para o nosso consumo”, finalizou.

O grupo GeoCombate trabalha com dados do COVID-19, sendo coletados informações  transformadas em dados georreferenciados, destacando a cartografia digital,  ultilizado o  Sistema Global de Navegação por Satélite (GNSS) e os Sistemas de Informações Geográficas (SIG), tendo uma apresentação em forma intuitiva de mapas, contendo informações de grau baixo , médio e alto risco tudo isso atualizado em tempo real e discriminado em Nota técnica.

Os estudos georreferenciados subsidiam as ações de enfrentamento da COVID-19 da AGERSA, são estudos realizados na Cidade de Salvador, com  detalhamento de bairros, e nos Municípios da Bahia.

As representantes da AGERSA no grupo GeoCombate, são a engenheira Priscila Abade e  a analista de TIC, Patricia Pires.