25
SET
2020

Após denúncias de água contaminada a AGERSA envia equipe de fiscalização para Araci-BA

Buscando comprovar a integridade do Sistema Araci Norte, e assegurar ao usuário quanto a qualidade da prestação do serviço, a AGERSA enviou uma equipe técnica para realizar fiscalização do Sistema. Os fiscais Ramon Ferreira e Uinnie Estevam foram os responsáveis pela inspeção que buscou avaliar a operacionalidade e as instalações físicas do sistema no trecho responsável pelo tratamento e distribuição da água para o povoado Lagoa do Boi no município de Araci.O sistema abastece 41 (quarenta e uma) localidades, pertencentes as cidades de Tucano e Araci, o sistema foi construído pela CERB e passado para a Embasa em abril de 2020.

A Agersa tomou conhecimento de internações ocasionadas, supostamente, por água contaminada no povoado de Lagoa do Boi, pertencente ao município de Araci – BA.

Na ocasião foi noticiado pela impressa, com base em suposições da administração pública, que um óbito e aproximadamente 50 (cinquenta) internações estavam ligadas ao fornecimento de água com tratamento inadequado, fornecida pela Prestadora Embasa.

As avaliações dos resultados das análises da água, referentes aos meses de abril a agosto de 2020, foram realizadas logo após as suspeitas de contaminação, não apresentando traços de contaminação que possam causar os problemas que foram apresentados pela Vigilância Sanitária e Secretaria de Saúde do Município. Novas amostras de água foram coletas para análises mais aprofundadas da composição química da água, foram coletadas também amostras da água de uma lagoa local que supostamente serve a população, sendo assim, a AGERSA aguarda que a Prestadora apresente os resultados para complementação.

O técnico responsável pela fiscalização no local, Ramon Ferreira, informou que “a inspeção no sistema não detectou não conformidades que possam comprometer a eficácia do tratamento. O sistema é novo, encontra-se em bom estado operacional e físico”.
“Foram avaliadas as estruturas de captação, tratamento, bombeamento da água, reservação e distribuição. Além da avaliação comum as fiscalizações, não foi observado a existência de fontes poluidoras, como a existências de atividades contaminantes comerciais, agrárias e esgotos expostos, não sendo detectadas nenhuma com proximidade que possa afetar o sistema”, contou.

Uinnie Estevam, que também estava na inspeção, informou que foi realizada pesquisa com a população, onde ficou comprovado que os casos se concentraram em maior parte na localidade de Lagoa do Boi e casos esporádicos em Lagoa dos Cavalos, sendo que não ocorreram reclamações referentes a qualidade da água distribuída pela Prestadora. Reiterou, “As casas possuem reservação do tipo cisternas, onde recebem a água tratada e acumulam água de chuva. Diante da hipótese da população realizar o consumo de água de lagoas da área, foi realizada visita as 2 (duas) lagoas mais próximas encontradas, onde ambas não apresentam condições apropriadas para consumo, pois encontram-se em avançado estado de eutrofização”, finalizou.

A equipe segue para buscar informações com a Prefeitura Municipal e Vigilância Sanitária do Município para que seja posteriormente realizada a confecção de uma Nota Técnica de avaliação completa, onde estarão discorridos detalhadamente os resultados da apuração.